Brookfield Brasil | Relatório Anual 2016

Relatório Anual
2016

Energia Renovável | Brookfield Brasil | Relatório Anual 2016

Energia Renovável

Com US$30 bilhões em ativos sob gestão globalmente, a Brookfield Energia Renovável detém no Brasil um portfólio composto por 41 usinas hidrelétricas, cinco parques eólicos e quatro usinas de geração a partir de biomassa, que somam uma capacidade instalada de aproximadamente 1.200 MW e ativos de cerca R$10,5 bilhões. Essa diversidade de fontes de renováveis de geração, somada à diversificação geográfica de nossas operações – que alcançam dois regimes hidrológicos opostos, 26 bacias hidrográficas e 10 estados – é um grande mitigador de riscos e permite expressivos níveis de eficiência operacional.

41Usinas Hidrelétricas

5Parques Eólicas

4Usinas de Geração por Biomassa

Fotos DA ESQUERDA PARA DIREITA: PCH EM CAMPO MOURÃO, PARANÁ E PARQUE EÓLICO, RIO GRANDE DO NORTE. | Brookfield Brasil | Relatório Anual 2016 Fotos DA ESQUERDA PARA DIREITA: PCH EM CAMPO MOURÃO, PARANÁ E PARQUE EÓLICO, RIO GRANDE DO NORTE.
OPERAÇÃO

O cenário hidrológico do início de 2016 seguiu ainda mais desafiador comparativamente a 2015, devido ao atraso do início da estação chuvosa e baixos níveis de precipitação nas regiões Norte e Nordeste e o baixo nível de armazenamento nos reservatórios. A excepcionalidade dessa situação é bem representada pela usina de Tucuruí, uma das maiores do País, que pela primeira vez em sua história deixou de verter. Os índices de Energia Natural Afluente (ENA) das regiões Nordeste e Norte foram, respectivamente, de 44% e 51% da Média Histórica de Longo Termo (MLT), enquanto o Sudeste e o Sul registraram ENA de 93% e 117 % da MLT. Embora tenham apresentado pequena melhora, os níveis dos reservatórios nas regiões Norte e Nordeste não conseguiram se recuperar ao longo de 2016 devido ao baixo volume de chuvas. As regiões Sudeste, Sul, Norte e Nordeste fecharam o ano, respectivamente, com os seguintes níveis de armazenamento: 33,7%, 60,3%, 18,9% e 16,5%.

Devido a esse cenário houve um aumento expressivo na exportação de energia do Sudeste para o Nordeste e também um incremento na geração fora de ordem de mérito, especialmente até Maio. Isso acarretou um descolamento considerável de preços entre os submercados, sobretudo do Nordeste em relação aos demais submercados no primeiro semestre, com o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) chegando praticamente ao piso nas regiões Sul e Sudeste, enquanto na região Nordeste chegamos a ter preços superiores a R$300/ MWh. No segundo semestre começou uma convergência dos preços entre os submercados fechando o ano em R$121/MWh, exceto o Nordeste que fechou o ano com preço de R$139/MWh. Os preços no segundo semestre foram fortemente influenciados por mudanças na previsão da carga feita pelo Operador Nacional do Sistema, que fez revisões expressivas em Setembro e Dezembro com grandes impactos devido a erros de metodologia na contabilização da energia. Houve também questões regulatórias importantes sendo discutidas, como o nível de aversão ao risco do modelo, que tem grande influência sobre as previsões futuras de preço. Além disso o consumo de energia teve queda de 0,9% em relação à 2015, com redução expressiva dos segmentos industrial (-2,9%) e comercial (-2,5%) devido à recessão econômica.

Resultado

A despeito do cenário, encerramos 2016 com receita de cerca de R$1 bilhão, praticamente em linha com o apurado no exercício anterior. Nosso EBITDA atingiu aproximadamente R$620 milhões, cerca de 3% inferior ao registrado em 2015. Nosso volume de energia assegurada foi de 5.400 MWh e o de energia alocada de aproximadamente 4.700 MWh, aumentos de, respectivamente, 7,4% e 2,1% sobre o exercício anterior.

Concluímos, com três anos de antecedência, as obras da PCH Serra Dos Cavalinhos I, que contou com investimentos de R$ 220 Milhões.

Iniciamos 2016 com uma capacidade instalada de cerca de 1.100 MW e encerramos o ano com aproximadamente 1.200 MW. Esse incremento ocorreu em decorrência da integração ao nosso sistema operacional de duas pequenas centrais hidrelétricas localizadas no estado do Mato Grosso, adquiridas do grupo EDP em dezembro de 2015, por R$390 milhões, e início das operações da usina de biomassa Santa Cândida II, localizada no estado de São Paulo. Com um aporte de R$280 milhões, essa usina já contratou a venda de energia para distribuidoras a partir de 2018 por prazo longo. O empreendimento produzirá energia suficiente para atender uma cidade de 84 mil habitantes.

Também concluímos, com três anos de antecedência, as obras da PCH Serra dos Cavalinhos I, de 25 MW, situada no Complexo do Rio das Antas (Rio Grande do Sul), onde já temos três outras unidades. A usina contou com investimentos de R$220 milhões e entrará em operação comercial já no começo de 2017. Serra dos Cavalinhos I já tem entrega de energia compromissada a partir de 2020, por meio de vendas feitas em leilões regulados. A antecipação da entrega permitirá receita adicional entre 2017 e 2019, com a possibilidade de vendas de energia no mercado livre

Para permitir o acelerado nível de crescimento que temos obtido, expandimos nosso escritório corporativo e implantamos um novo Centro de Controle de Operações (CCO), na região da Barra da Tijuca, no Rio Janeiro dotado de todas as qualificações tecnológicas e de redundância de sistemas. E, por fim, demos continuidade à nossa campanha interna de Compliance, com ênfase em recertificação de todos os nossos colaboradores, além de treinamento presencial para todos os funcionários de campo.

PERSPECTIVA

Iniciamos 2017 com um portfólio de projetos em desenvolvimento que totalizam aproximadamente 290 MW adicionais de capacidade de geração. Entre eles estão as usinas de geração hidrelétrica Verde 4 e Verde 4A, ambas no estado do Mato Grosso do Sul, que somam uma capacidade de aproximadamente 50 MW e devem entrar em operação até o final do ano. Nossa perspectiva é de continuarmos ampliando nosso portfólio por meio da combinação de crescimento orgânico e oportunidades de aquisição. Temos longa experiência nesse segmento e acreditamos que investir em fontes de geração de energia renovável e de baixo impacto socioambiental resultará na valorização constante de nossos ativos.

1.200MWDE CAPACIDADE INSTALADA

PROJETOMW
PCH Verde 419
PCH Verde 4A28
PCH Foz do Estrela29,5
PCH Galera13
PCH Arrozeira Meyer24
PCH Cachoeira das Almas24
Morro do Chapéu (eólica)150