relatório anual 2017

Complexo JK Iguatemi, São Paulo

EDIFÍCIOS COMERCIAIS

Vista aérea do Edifício Senado, Rio de Janeiro.

Em 2017, ampliamos nosso número de empreendimentos comerciais de alto padrão, com a aquisição da Torre B do empreendimento EZ Towers, localizado em São Paulo. Adquirido por R$ 670 milhões, o novo edifício adicionou cerca de 47 mil metros quadrados de área locável ao nosso portfólio, um aumento de aproximadamente 13% em relação a 2016. Assim, encerramos o ano com sete empreendimentos na cidade de São Paulo e outros quatro no Rio de Janeiro, num total de R$ 6,2 bilhões em ativos sob gestão, crescimento de 21,5% em relação ao ano anterior.

OPERAÇÃO

A despeito do ano de 2017 ainda ter sido marcado por sinais tímidos de recuperação do mercado imobiliário em geral, nossas operações tiveram um desempenho bastante relevante. No Rio de Janeiro, mantivemos a taxa de 100% de ocupação em nossos empreendimentos. Um dos principais destaques foi a entrega das obras do novo edifício sede da L’Oréal no Brasil, projeto construído na modalidade build-to-suit (BTS), o que garante os níveis de ocupação e preços de locação independentemente das condições do mercado.

Em São Paulo, a Brookfield foi responsável por cerca de 30% de toda a absorção líquida de locação de escritórios comerciais do mercado, com 65.279 m². Entre os destaques do ano, estão as Torres D e E do Complexo JK Iguatemi (que atingiram um índice de ocupação próximo de 90%) e o índice de 96,5% de ocupação atingido no empreendimento WT Morumbi, o que corresponde a aproximadamente 45 mil m2 de área ocupada. Ainda em São Paulo, concluímos as obras do empreendimento Nações 17007, de 65 mil m2 de área.

Em função dos resultados mencionados, combinando as praças de São Paulo e do Rio de Janeiro, encerramos 2017 com uma expressiva taxa de ocupação de 94,3% de nosso portfólio, enquanto o mercado nas duas cidades como um todo registrou uma taxa média de ocupação de 78,7%. Atribuímos essa conquista à qualidade de nosso portfólio, que absorveu boa parte do movimento que no jargão do mercado é chamado de flight to quality, ou seja, com diversos clientes aproveitando o cenário econômico para mudar para imóveis melhores e mais modernos, em condições de locação mais favoráveis.

PERSPECTIVAS

As perspectivas para 2018 são de continuarmos focando nossos esforços na atração de novos locatários e na manutenção dos elevados índices de ocupação em nossos empreendimentos. Por outro lado, continuamos atentos às oportunidades de novas aquisições tanto no segmento de edifícios comerciais como em galpões industriais, onde já temos uma presença bastante relevante globalmente e no qual enxergamos bom potencial de investimento no Brasil.