relatório anual 2017

Fachada do shopping Pátio Paulista

SHOPPING CENTERS

Com participações acionárias em seis empreendimentos no Brasil, nosso portfólio no segmento de shopping centers soma 230 mil metros quadrados de área bruta locável e representa R$ 1,6 bilhão em investimentos nesse segmento. Fazem parte desse portfólio os shoppings Pátio Paulista, Pátio Higienópolis, West Plaza e Raposo, em São Paulo; e o Rio Sul e Madureira, no Rio de Janeiro. Juntos, esses empreendimentos responderam por um total de R$ 4,3 bilhões em vendas totais em 2017, um aumento de aproximadamente 7,5% em relação a 2016, apesar do cenário econômico ainda bastante desafiador. Segundo dados da Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), as vendas totais do mercado cresceram cerca de 6%.

OPERAÇÕES

O ano de 2017 foi dedicado à consolidação dos investimentos em expansão e à melhoria de mix em nossos empreendimentos, especialmente no Pátio Paulista, em São Paulo, que em 2016 adicionou 11 mil m2 de área bruta locável aos 31 mil m2 existentes. Como resultado disso, nossas receitas no segmento em 2017 atingiram R$ 400,6 milhões, uma alta de 7% em relação ao ano anterior.

A expansão do Pátio Paulista permitiu que nossas receitas com aluguéis crescessem 7%, quando o indicador “Mesmas Lojas” apresentou crescimento de 1,5%. O shopping registrou em 2017 um aumento de quase 10% no tráfego total de visitantes, com um crescimento de 26,5% em suas vendas totais. Somente em 2017, 36 novas lojas foram abertas, enquanto outras 16 foram reformadas.

A taxa de ocupação do portfólio de shopping centers da Brookfield no Brasil encerrou o ano praticamente estável, em 95,6%, acima da taxa média do mercado, que foi de 94,3% em 2017.

PERSPECTIVAS

As perspectivas do mercado para 2018 são de uma melhoria geral dos indicadores do setor, o que deve se refletir em uma menor pressão por descontos nos valores dos aluguéis praticados e uma melhora na taxa de inadimplência. Como já mencionado, as vendas totais nos shoppings cresceram cerca de 6% em 2017 e as projeções da Abrasce são de que em 2018 deve ocorrer aumento semelhante em função, principalmente, da retomada do nível de empregos e de expansão no mercado de crédito ao consumo. Nas projeções da Abrasce, o cenário é mais favorável a empreendimentos já consolidados, que tendem a ser mais beneficiados com a retomada da confiança do consumidor, o que é o caso dos empreendimentos que compõem nosso portfólio.