relatório anual 2017

Produção de eucaliptos em Montes Claros, Minas Gerais

FLORESTAS

OPERAÇÕES

O conjunto de florestas da Brookfield no Brasil soma 290 mil hectares de terras, o correspondente a R$ 3 bilhões em ativos sob gestão. Em parceria com investidores locais, investimos em áreas de alta qualidade e produtividade localizadas em sete estados brasileiros – Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Mato Grosso do Sul – atendendo à demanda das indústrias de celulose, gases industriais, de construção civil, metais silícios e siderurgia.

Em 2017, observamos uma leve recuperação do setor florestal, especialmente relacionada aos segmentos que há alguns anos vinham apresentando resultados negativos, como a indústria siderúrgica, o que beneficiou as operações no estado de Minas Gerais. Além disso, a indústria de celulose prosseguiu sua trajetória de expansão impulsionada por maior estabilidade cambial e pelo aumento de cerca de 18%, tanto nos preços internos de celulose quanto no preço médio de exportação. Nossas vendas atingiram 2,9 milhões de metros cúbicos de toras, volume 16% acima do comercializado em 2016, sendo 95% de florestas de eucalipto e 5% de florestas maduras de pinus, com receita líquida atingindo R$ 183 milhões.

Os nossos esforços de vendas continuam focados em segmentos voltados à exportação, especialmente nos quais o Brasil possui vantagem competitiva, como o setor de celulose, com participação de 81% em nossas receitas, seguido pelos mercados de siderurgia, com 8%, e gases industriais, com 5%. Os demais setores como construção civil, metais silícios, embalagens, entre outros, somam 6% do total de vendas.

Com foco permanente em sustentabilidade, continuamos empenhados na manutenção das nossas operações já certificadas, como ocorre para as empresas Frigg e Egir nas normas ISO 14001 e no Programa Brasileiro de Certificação Florestal (CERFLOR), e temos ainda um novo desafio de certificar nossas florestas plantadas na norma do Forest Stewardship Council (FSC), iniciando com 36 mil hectares entre 2018 e 2019.

PERSPECTIVAS

Como ocorrido nos últimos anos, e dado os contratos de longo prazo com o setor, a indústria de celulose deve continuar sendo nossa principal compradora em 2018. Esperamos também uma contínua recuperação da indústria siderúrgica para 2018, acompanhando as projeções de recuperação e crescimento da construção civil no País, e a manutenção das exportações de aço. Ademais, continuamos investindo na busca por projetos alternativos para o consumo de madeira, como o uso de biomassa florestal para a geração térmica de energia elétrica.

Viveiro de mudas de eucalipto, São Paulo